Geral

O Rei Leão da Amazônia: em releitura, Timão dança carimbó

“E se O Rei Leão acontecesse na Amazônia?” Foi essa a pergunta que o ilustrador e designer gráfico Vilmar Rossi Júnior fez aos seus pouco mais de dois mil e duzentos seguidores no Instagram, no começo do mês de julho. A partir daí, nasceu a pesquisa que daria origem a uma série de ilustrações que ficou conhecida nas redes como O Rei Leão brasileiro, ou O Rei Leão da Amazônia. Na releitura de Rossi, as savanas africanas e os desfiladeiros característicos do filme dão lugar à mata fechada da maior floresta tropical do mundo.

Com a ajuda dos amigos e das pessoas que o acompanham nas redes, ele compôs um a um o elenco de animais amazônicos para substituir Simba, Mufasa, Rafiki, Timão, Pumba e toda a turma do original da Disney.

Na pesquisa, o autor descobriu quais são os animais típicos da região amazônica que mais se encaixam no perfil dos heróis do desenho. Foi aí que ele escolheu a estrelada fauna da Amazônia: a onça pintada fazendo o papel do leão Simba, o cateto no lugar do javali Pumba, uma irara (ou papa-mel) no lugar do simpático suricate Timão.

O artista procurou dar visibilidade a espécies pouco conhecidas, como o araçari que faz as vezes do tucano Rafiki. Inicialmente, ele seria um mico-leão, mas os leitores problematizaram que o mico não é tão característico da Amazônia. Para cumprir o papel das hienas vilãs, Valmir recorreu ao cachorro-do-mato-vinagre, também conhecido como janauí ou januara, um canídeo nativo da floresta amazônica.

Ao apresentar espécies tipicamente brasileiras que muitas vezes ficam fora dos livros de ciências e biologia, O Rei Leão da Amazônia se transforma em uma potente ferramenta pedagógica e cultural para os professores, as famílias e, claro, as crianças.

 

Conheça os animais amazônicos da releitura

  • Araçari-castanho – De nome científico Pteroglossus castanotis é uma ave da família Ramphastidae. Frequente da Colômbia ao Paraguai e no Brasil centro-meridional. A espécie mede cerca de 43 cm de comprimento, com um grande bico multicolor, bochechas, garganta e nuca castanhas, e uma barriga com faixa vermelha alargada dos lados.
  • Cateto – Semelhante ao javali ou porco-do-mato, este animal é um mamífero, e recebe muitos nomes, como patira, caitatu, pecari e tateto. Seu nome científico é Tayassu tacaju e sua ocorrência é na América do Sul.
  • Irara – É uma espécie tipicamente florestal, podendo ser encontrada desde do dossel de árvores até galerias de matas. O nome popular irara vem da junção dos termos tupis i’rá (mel) e rá (tomar). Já o nome científico da espécie (Eira) tem origem na língua guarani. No Brasil também é chamada de papa-mel, um dos seus alimentos preferidos.
  • Onça-pintada – De nome científico Panthera onca, é considerada o maior felino das Américas. No Brasil, ela é encontrada em todos os biomas, mas com grandes níveis de ameaça. A espécie é considerada uma das prioridades da Red List (Lista Vermelha) da IUCN (União Internacional de Conservação da Natureza).
  • Cachorros-do-mato-vinagre – Também conhecido como janauí ou januara na Amazônia e jaracambé ou aracambé no Brasil meridional, é um canídeo nativo da América do Sul. Segundo a IUCN, o cachorro-vinagre é uma espécie “quase ameaçada”. A espécie encontra-se nessas condições por conta do isolamento e da esparsa densidade das suas populações. Além disso, um outro fator agravante é a destruição do seu habitat

Fã de animação, Vilmar se inspirou para fazer sua criação na nova versão de O Rei Leão, em cartaz nos cinemas em live-action. A proposta de criar uma releitura amazônica do filme surgiu da intenção de despertar um olhar sensível das pessoas para a questão da preservação da floresta, uma das pautas nacionais de maior relevância geopolítica no país. O autor conta que a ideia que nasceu como brincadeira ganhou uma perspectiva ecológica e política que ultrapassa o filme.

Assim, na releitura, o cenário deixa de ser só pano de fundo, e torna-se também conteúdo, pois nele estão subentendidas as temáticas que circundam a floresta amazônica, como o desmatamento, as queimadas, a questão dos madeireiros e latifundiários e a extinção de espécies. O ilustrador está trabalhando em sua criação. Até o momento, foram criadas cerca de oito cenas, entre elas a mais icônica do filme, a sequência de Hakuna Matata. No lugar de dançar a hula havaiana, Timão aparece vestido com flores na cabeça e uma saia de chita.

— Isca viva!
— Boa ideia. Ei!!? O que quer que eu faça? Me fantasie e dance carimbó?

No desenho original, a cena receberia uma roupagem estilo Michael Jackson, mas ficou mesmo a hula. No musical, porém, foi substituída por um Charleston. Na versão espanhola, virou uma dança andaluz.

“Poderia ser tanta coisa, pois temos uma infinidade de danças lindíssimas e que mereceriam uma representação. Pensei muito em colocar o Timão dançando o boi estilo parintins, ou uma chula do Rio Grande do Sul, ou mesmo alguma dança típica do Pará, de origem indígena, representando assim a cultura popular da região amazônica”, conta o autor em seu Instagram.

Mas, se na canção original o lema é “Os seus problemas você deve esquecer”, aqui, talvez, cabe arriscar que o envolvimento com a floresta convide para um outro olhar para os problemas que ameaçam sua existência. Para acompanhar a continuação das cenas que Vilmar Rossi ainda vai criar para o seu Rei Leão brasileiro, acesse o perfil do ilustrador no Instagram.

https://www.instagram.com/vilmarrossijunior/?utm_source=ig_embed

Coluna On

Coluna ON é um portal que vai além das notícias, agregando jornalismo cultural de qualidade com a agilidade da linguagem das redes sociais.

Comentar

Clique aqui para publicar um comentário

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: